Skip to content

O rei que não chora – Renato Miguel

by em 01/07/2015

Existe um meio dia entre o bravo e o covarde?
Se a via é estreita os olhos se fecham
Coragem sem medo é um sol que não arde
Se o fim não vem tarde os grandes se entregam.

Por que não me dizes que o inverno tem hora?
Teu rosto não cora, mas ainda é verão
O frágil soldado é um rei que não chora
Fiel, vai embora. Aos céus, o perdão.

O ócio se enerva, o lar é um veneno
À luz, em um momento, mil jóias quebradas
Vermelhos cabelos, ao longe, um alento
Mas meu sofrimento tem voz e não cala.

Valente, me deixo a sair em silêncio
Neste poema, daqui nada há
Ausente é a alvorada; a espera é um tormento
Os sonhos se calam diante do mar.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: