Skip to content

Poema I – Renato Miguel

by em 09/06/2015

Muitos dos homens que se diziam crentes caíram sós de repente, prostrados diante do nada;
E muitas horas que se seguiam contentes eram leões sorridentes,
Ricina em frasco de prata.

Mas todas as vezes que nos viramos doentes,
De tudo pouco cientes, à luz da lua gelada,
A vida e a morte beijavam-se solenemente;
Amavam-se honestamente e corriam ao sol de mãos dadas.

E a bela princesa na torre presa a correntes,
Já não mais sabe o que sente, já não se lembra de casa.
Pois o deus dela é um menino louco e inocente, sua obra é dura e eloquente.
Drama em um conto de fadas.

Mas sua alegria no meu corpo é uma semente, dor é a vida de quem sente, como a luz na madrugada.
E o nosso medo é o universo consciente…
de que temos sempre à frente…
um sol que arde na esplanada.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: