Skip to content

Castelo de Areia – Renato Miguel

by em 25/08/2013

Há dias em que o marasmo é o destino mais doce. Num deles o cenário era composto por uma tranquila porção de areia fina, sol, água salgada e uma brisa morna. Havia uma canga estendida por baixo, e ali eu estava sentado. E lá também estava ela. Nos meus braços eu envolvia seu tronco macio e esguio. Seu cabelo vez ou outra lambia meu rosto ao sabor do vento brando que varria o lugar. Ao lado e à frente um menino empenhava-se em erigir um castelo na areia. Era bonito vê-lo trabalhar tão avidamente com a pazinha e um pequeno balde azul. Canudos com listras vermelhas adornavam as muralhas e um fosso foi cavado em volta.

Fechei meus olhos ao redor do lindo rosto e aprisionei seu sorriso. Respirei fundo, absorvi o perfume e sorri pensando que na minha mente eu também erguia meu próprio castelo. Dos delicados ombros dela eu fiz minha muralha; de seu coração fiz minha cidadela; dos braços, as mais altas torres; dos cabelos, meus estandartes. E nos lindos olhos eu ousei fixar o meu trono, onde eu repousaria até que não mais fosse rei, ou até que uma onda levasse em suas espumas toda essa doce ilusão.

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: