Skip to content

Historieta do amor que alimentava II – Thiago Amério

by em 23/04/2013

laranja

 

Hoje tarde, atordoado, bebi suco de laranja. Sei que não era a maior necessidade maior do homem (beber), mas na praia, sozinho, estava delicioso. Sempre fui uma pessoa que deixava o sono e a fome me controlar. Hoje eles são mais fracos do que eu pensava. Nunca foi assim. Desde sempre. Mas, hoje, tudo é diferente.

As horas demoram e a fome, bem mais tarde, que vem.  E mesmo acompanhada do sono, não é essa companhia que me preenche.  Sou preenchido por algo que seduz o homem. Quem conduz a fome e o sono pra (eles) chegarem devagar na cabeça da gente.

A vontade de dormir chega, tal como, a vontade de me preencher. Quanto tempo será que dura (o fazer-se de difícil pra não ser mais um da lista) isso? Quando se come bem e depois se cospe a fruta fica encantada, afinal, qual o porquê de não se comer bem de novo? O que eu (fruta) tenho que fazer para que a vontade de comer (de novo) nunca acabe? Já nem sei se tenho fome ou sono. Saio… está escuro… (é que já são 20:30 h). Deito e finjo não me importar. Quero dormir pra me saciar. Quem sabe no sonho da alforria eu me alimento?

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: