Skip to content

Saia(s)sim – Thiago Amério

by em 16/04/2013
– Saia assim. Saia não.
Saia sim. Sem medo então.
Sai daqui.
 
Quer virar tela antes de entrar na janela, donzela?!
 
Como o poeta se inspira com tinta de vazio no ar?
Como, ela, metida, entra de saia no meu pensamento,
sem sequer, permitir-se, voar?
 
É, no fechar dos olhos só vejo ‘ela’.
E, de manhã, sairá com a saia dela.
                                                                
Eu, mesmo na moda, não visto a cela
daquela saia que sem merecer
usa no dia a dia com os outros
afinal, não sou irlandês ou gay
pra aceitar esse desgosto.
 
Embora não mereça ela entrou,
vestida,
com corpo de dama e jeito quente,
apesar de se restringir a mente, dele,
que já a sente.
 
Ainda que seja em pensamento,
quando está no chuveiro quente,
fecha os olhos e a saia não sai.
 
Porém, passam outras saias na tela mental…
Só que nela, ele gruda seu sentimento carnal.
 
Mas não faz mal. Porque ela diz fazer espetáculo
e no circo dele está como protagonista principal…
apesar de dizer não culminar fazer
e querer não expressar o viver.
 
– Saia sim. Saia não.
Saia sim. Sem medo então.
Saia assim.
 
Mas ela só quer o melhor dele nela.
E ainda insiste em não entrar na janela.
Dá pra entender a donzela?
 
Saia dela.
 
Embora pra ela, até hoje, querer fosse poder.
Pra poder ser a saia dele, muito deve acontecer.
 
Assim, saia sim ou saia dele com a saia das donzelas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: