Skip to content

Poema Vermelho – Carla Guedes

by em 21/09/2012

[Pra brincar um pouquinho de palavrear, e aproveitando a inspiração do Amigo Renato T. de Miguel, dou largada à trilogia das cores. Vermelho é a primeira delas, tematizada pelo dia de maior calor do ano, aqui no Rio de Janeiro, e acolá…]

Uma nuvem morna
Me lambe os sentidos.
Um calor rubro encobre a cidade
E na calçada um mendigo
queima os pés desnudos:
Nesse passo quente
dança a valsa do fim de tarde,
Lenta, escarlate e lânguida.

Vermelhidão que abraça o dia
E cansa os cidadãos apressados
Que voltam pra suas casas quentes;
E sobem em seus ônibus quentes;
E o homem de terno, redondo,
que recurva sobre o dia quente.

Tudo é tão denso.
É o suor que pinga,
é a música alta,
é o congestionamento;
E a maquiagem que escorre líquida,
na pálpebra dourada da moça,
sob o sol crepitante.
É esse termômetro interno,
descompensado,
E os bares repletos
de bebedores ávidos
Pela recompensa da sede.

[No dia carmim, a única vontade que tenho
é mergulhar no azul calmo e macio
de uma irrelevância poética glacial.]

From → Carla Guedes

3 Comentários
  1. Renato T. de Miguel permalink

    Show! Reage, moçada! vamos escrever!! rsrsrs

  2. Só lendo esse poema pra eu suar num dia frio hehehe

Trackbacks & Pingbacks

  1. Poema Cinza – Carla Guedes | A arte procurando ser reposta - inspirando no bom e no belo...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: