Skip to content

Poema Não Escrito – Carla Guedes

by em 17/04/2012

Ontem rasguei um poema. Coisa séria, gravíssima! É então para esse poema ido para os recônditos da esquecibilidade, que quero dedicar este pequeno outro, inscrevendo-o na lápide imortal do tempo.

 

Poema não escrito:
Que tua existência efêmera não tenha passado ilesa.
Que teu tema não desenvolvido,
Talvez porque eu o tenha julgado sem dignidade,
Tome parte dos recantos onde os temas amadurecem;
No céu dos versinhos perdidos.

Que teu arranjo disforme de vocábulos
E que o instante em que a inspiração conspira
Não tenham sido em vão, mera obra do acaso,
Mas matéria viva pro crescer poético
Onde as métricas transmutam e se transformam
No solo fértil adubado de consoantes.

Poema não escrito, rasgado de tua existência:
Que teus cortes e lascas de sílabas,
As quais desunidas já não formam estrofes,
Possam além da minha memória reinventar-te
Dilatando-o em uma sobrevida outra;
Para além de significâncias e metáforas obsoletas.

Poema sem nome, que teu almejar poético
Tenha sido o maior de teus feitos.
Não nasceste para ser relegado às gavetas,
Nem tão pouco aos livros empoeirados de estantes.
Nasceste e murchaste como a flor perene,
Que mesmo breve, vale eterna o colorido instante.

From → Carla Guedes

3 Comentários
  1. Carla, mais uma vez, ótimo!!!!

  2. Diego Andrade permalink

    Show de bola!

  3. Carlinha, fabuloso! Penso como seria o outro poema, se o que o revive já traz em si tanta vida, tanta forma, tanta intensidade!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: