Skip to content

Um domingo e um violão – Renato T. de Miguel

by em 21/03/2012

Essa era a cena: um domingo, um sol honesto, e cerca de dez ou onze pessoas sentadas sobre cadeiras de plastico em um quintal de uma bela casa localizada em um bairro de classe média. Havia cerveja, refrigerante e o ar esfumaçado recendia à carne na brasa. Quatro crianças – dois meninos e duas meninas – corriam em volta, segurando pistolas d’água devidamente descarregadas. Não havia música, ainda.

O aniversariante trajava uma camisa amarela, em cujo centro figurava uma cruz de malta vermelha coroada por algumas estrelas douradas. Entrou em casa e voltou alguns segundos depois, trazendo na mão direita um grande volume negro, como uma maleta. Dali, retirou um bonito violão encordoado em aço. Sentou-se em uma das cadeiras de plástico e se pôs a dedilhar o instrumento, ao mesmo tempo em que torcia as cravelhas à procura do som correto. À sua frente, postava-se a estante que suportava o caderno que continha as partituras. As folhas restavam amarelecidas pelo tempo. Achei que o apego àquele velho caderno sugerisse a existência de um sonho deixado para trás. Hoje é engenheiro, mas talvez quisera ser músico.

Começou a cantar. Os dedos se moviam rapidamente por sobre as cordas do violão, produzindo um som agradável. A face do músico era versátil, e ia se alterando conforme a entonação empregada em cada acorde, estampando nas linhas de seu rosto os sentimentos evocados pela canção.

O pai do aniversariante, empunhando um copo de cerveja, expressava seu orgulho pelo rapaz. Inflou os pulmões e falou sobre a profissão de engenheiro, e em como se orgulhava por seu filho ter frequentado a UERJ. O sentimento paterno era tocante e genuíno. Muitos anos haviam-se passado desde que o aniversariante se graduara em engenharia, mas aquele orgulho parecia inesgotável nas palavras do pai. O músico parecia não ouvir e, se escutara, demonstou apenas com o deleite já ostentado pelo som de sua própria música.

As canções continuavam, uma após a outra. O repertório era extenso. Ia de Chico Buarque a Beth Carvalho; de Raul Seixas a Luiz Gonzaga; de O Rappa a Legião Urbana e Cazuza. As pessoas ouviam e aplaudiam após cada música. Aplaudiam, bebiam, comiam e conversavam. E o músico não se cansava.

Em dado momento, as pessoas não mais prestavam a devida atenção ao som da voz e do violão. Uma tia embriagada estourava os balões vermelhos com um grande garfo de churrasqueiro. Isso não importava, todavia.

A música já havia cumprido o seu papel. Em seu aniversário, aquele engenheiro havia nos dado uma tarde tornada bela pelo som de sua música. E eu, há três meses do meu próprio aniversário, escrevo isso para dizer: obrigado.

Macaé, 18 de março de 2012

3 Comentários
  1. Anônimo permalink

    Muito bom! Mas se eram 03 crianças como seriam 02 mulheres e 02 homens?

  2. dmiguelrenato permalink

    ah, pode crer hahahaha. Eu já havia corrigido isso, mas no arquivo de onde eu colei permaneceu esse erro hehehe. Será prontamente reparado. Vlw pela observação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: